De volta ao Brasil

sábado, agosto 17, 2013

Não vou mentir que estive procrastinando para, finalmente, fazer esse post. Estou sim, bem atarefada, mas nos momentos em que poderia escrever aqui simplesmente não consegui. Pra mim, parecia que não escrever sobre o fim do intercâmbio poderia deixá-lo mais vivo em mim
Sei que soa estranho, mas mesmo depois de chegar ao aeroporto do Rio, voltar pra casa e dormir na minha cama, tinha a sensação de que no dia seguinte iria pra faculdade de bicicleta, conversaria com as meninas do dormitório e visitaria a loja de hyaku-en pra comprar mais bugingangas. Acreditem, demorou um pouquinho pra eu aceitar que voltei.

A última semana foi incrível! Planejei ir aos lugares que mais gostava, comer o prato mais gostoso do meu restaurante favorito e me divertir com os amigos! E mesmo com tanto planejamento não consegui fazer tudo. Inclusive não pude ver alguns amigos queridos antes de partir. No último dia fui acompanhada pro aeroporto e não consegui conter as lágrimas quando estava para entrar no salão de embarque. Na primeira semana aqui, não teve uma noite que não sonhei que estava no Japão e acordei desorientada sem saber onde eu estava. Mas agora que estou me acostumando com a ideia de estar de volta e as emoções se tornaram mais claras posso escrever com mais calma (apesar de ainda ser difícil).

Revendo tudo o que se passou desde que comecei os preparativos para o intercâmbio, vejo que fiquei com um pouco de medo da falta que meus pais fariam, fiquei com medo de não passar nas provas de nivelamento. Estava ciente de que estranharia a "frieza" do povo japonês e que meu japonês ainda não era suficiente. Mas jamais pensei na possibilidade de não gostar do Japão. Botei na cabeça que qualquer dificuldade que encontrasse lá eu seria capaz de enfrentar. Bem, eu fui! Mas tenho que admitir que as vezes parecia que seria impossível. 

Mesmo me acostumando  com o cotidiano de lá, mesmo com a rotina de ir pra faculdade, depois voltar e estudar, morar onde morei me abria tantas possibilidades que eu conseguia me surpreender quase todos os dias. Poder pegar a bicicleta e explorar lugares, ver gente diferente, comer coisas diferentes... Meu lugar favorito em Makuhari era um parque chamado Kasumi. Sempre ia lá pra caminhar ouvindo música. Tinha também o Sushiro e o Kappa sushi, dois restaurantes que eu visitava com muita frequência (e pensando nisso agora - 6 horas da manhã - me deu uma vontade absurda de comer o sushi de lá). O Aeon e Lalaport eram outros lugares onde ia com muita frequência pra fazer compras. E como eu comprei viu... Mas se está no Japão, faça como os japoneses, compre! Na Região de Tóquio o lugar que mais gostei foi Ueno. Era uma viagem meio cara, mas valia a pena porque o parque e o zoológico são lindos!! E Kamakura então? Um lugar tão calmo, cheio de templos pra visitar... Um sonho mesmo!! - outra coisa que preciso postar mais tarde!

Conversava com os meus pais pelo skype, acreditem se quiser, todos os dias! Era muito raro não ter assunto; sempre tinha algo pra mostrar, fotos pra postar, novidades pra contar. Quando cheguei aqui já não havia nada que meus pais não soubessem sobre as minhas aventuras no Japão!

Além das viagens e lugares que visitei, a oportunidade de conhecer o povo japonês bem de perto foi outro aspecto maravilhoso dessa experiência. Poder observar como pequenos atos e convenções sociais refletem o quanto o respeito, gratidão e responsabilidade estão enraizados na cultura desse povo; como funcionam as relações entre japoneses e estrangeiros e também entre si, como eles se vêem perante a sua sociedade... Tirei conclusões bem interessantes sobre essas coisas, gostaria muito de poder compartilhar com vocês mais tarde!

Porém, algumas vezes as diferenças culturais ficavam tão nítidas que chegava a incomodar. Algumas coisas simplesmente não entravam na minha cabeça. Por que a japonesa pode usar uma saia tão curta a ponto de eu conseguir ver sua calcinha quando ela sobe na escada rolante e eu não posso colocar meu decote comportado (eu juro que era cmportado)? Por que tenho que beber a mesma bebida que todo mundo bebe, ou comer o prato que todo mundo come só pra não fazer desfeita? Sou um pouco teimosa então tive certa dificuldade para aprender a lidar com essas pequenas regras, e o que não falta no Japão é regra viu?. Mas a razão pela qual morar no Japão foi uma experiência tão marcante e enriquecedora pra mim se deve tanto às coisas que eu já gostava na cultura desse país, as coisas que conheci e passei a amar e principalmente as coisas que eu não conhecia e não gostei! 

Não poderia terminar o post sem antes falar das amizades que fiz lá, correto?
Sei que muitas das pessoas que conheci por lá, eu não vou ver nunca mais. Mas tenho certeza que vou me encontrar novamente com outras! Quem sabe um dia conseguirei ir à Tailândia e ver a Somu, ou na Nova Zelândia e reencontrar a Roxy. Visitar a Espanha e ir ao karaoke com a Maria... Comer muito e ter conversas de mulher com June dos Estados Unidos. Quem sabe Taiwan e treinar meu japonês com a Kaoru... Quem sabe voltar ao Japão  e reencontrar todos os alunos de português, hein? Mas uma coisa é certa, estarei de braços abertos para recebê-los aqui!

Também só tenho a agradecer a todos e todas que acompanharam o blog! Algumas pessoas acompanham essa história antes mesmo do intercâmbio começar. Acho que vocês se lembram de todo o desespero e preocupação que foi esse processo né? Os comentários e o apoio de vocês me animou a continuar postando! muito obrigada, de coração!!! 

E hoje, quando me perguntam porque quis ir ao Japão eu continuo não sabendo me expressar direito. A única coisa que consigo dizer: É um sonho.


また会える日まで♥
Até nos encontrarmos novamente!


You Might Also Like

3 comments

  1. Ahhh Paula, esse post foi incrível! Acompanhei praticamente tudo que você fez no Japão e ainda tenho curiosidade de saber muito mais sobre lá. Fico feliz de ter compartilhado várias das suas experiências no blog, pois assim pude conhecer um pouquinho mais do país que também sonho conhecer.

    ResponderExcluir
  2. Imagino que pra vc tem sido difícil acreditar que ainda tá no Brasil D:
    Eu sonhei hoje que o meu namorado tava aki ainda e acordei desorientada...imagina pensar estar num lugar e acordar em outro??
    Afinal, um ano é muita coisa!
    Imagino como deve dureza não poder mais comer as comidas dos restaurantes >___< Ok, eu sou comilona mesmo!
    E acredito que seus amigos de lá nunca se esquecerão de você!
    O bom da net é isso, sempre poder ver os amigos!

    ResponderExcluir
  3. Deve ser mesmo uma confusão emocional intensa! Passar tantos meses em uma realidade e cotidiano e ter que se readaptar me parece a parte mais complicada de voltar do intercâmbio. E, é claro, ter que lidar com a saudade dos que lá ficaram. Mas a internet é ótima nesses aspecto de encurtar distâncias: assim como você fazia com seus pais, o Skype sempre vai estar aí para que você possa papear com os amigos. Não é a mesma coisa, mas já ameniza a saudade. (:

    Intercâmbio é uma experiência incrível, espero conseguir fazer um algum dia. ^^

    ResponderExcluir

Subscribe