Minhas impressões sobre o Japão parte 1

sexta-feira, novembro 30, 2012



Olá pessoal!Hoje tive uma breve porém interessante conversa com uma das professoras de portugues aqui da Universidade de Kanda. Ela é brasileira, mora aqui há bastante tempo, é casada (com um japonês) e inclusive tem uma filha. Nossa conversa me fez refletir sobre os três meses que passei aqui até hoje e sobre o que eu gostei e não gostei no Japão. Na verdade eu já havia preparado um texto parecido com esse antes, mas como só faziam algumas semanas desde que cheguei achei melhor esperar e ver se meu pensamento iria muda ou não.

Acreditar que no Japão se pode encontrar tudo e qualquer coisa que você precisa é muita ingenuidade. O Japão possui tudo aquilo que os japoneses precisam, e é isso. Só vi pipoca de microondas uma vez desde de que cheguei aqui, por exemplo... Ainda sinto muita estranheza nessas pequenas coisas do dia a dia, mas isso é contornável e não muito relevante no momento.

O que realmente assusta aqui no Japão, no primeiro momento, são os japoneses. Se você é uma das pessoas que acha que japones é perfeito e vive numa sociedade perfeita (como vejo muitos brasileiros falando por aí), querido (a), ou você tem problemas, ou terá problemas quando vier pra cá. Vivemos em países completamente opostos então é mais que natural agirmos e pensarmos de maneiras diferentes, mas achar que um é superior ao outro é muita ignorância pra uma pessoa só. Estando aqui, muitas das minhas impressões iniciais se mantiveram, muitas mudaram. A partir de agora vou escrever apenas minha opinião, baseando-me nas minhas próprias experiências,

Primeiramente, você só começa a entender os japoneses e seu cotidiano quando vive com eles. Portanto a visão de um turista brasileiro é completamente diferente da de um brasileiro que vive aqui. Eu com certeza nunca vou chegar a entendê-los, uma vez que só vou ficar aqui por um ano. Mas a primeira coisa que pude concluir foi: "Você pode morrer sem saber se um japonês gosta de você ou te odeia". Com o tempo e um pouco de prática você se torna capaz de perceber, mas os japoneses funcionam na base da sutileza e muito raramente expressam suas vontades e pensamentos para os outros. Então, talvez ao dirigir a palavra a você, seu tom ou sua linguagem sejam um pouquinho diferentes das que ele normalmente usa com as outras pessoas, mas jamais, vai discordar de você ou falar que não vai com a sua cara (mesmo que por dentro queira te ver morto rsrs). Nunca.

Os japoneses também tem um sentimento de obrigação muito forte. Obrigação com tudo. Isso soa muito bem no início, mas pode ser sinônimo de dor de cabeça pra muita gente. Brasileiro está acostumado a dizer o que pensa e o que sente; por vezes gera inimizades por conta disso, outras, facilita a relação. Por exemplo, se nos oferecem cerveja, mas você não consome alcool, simplesmente dissemos "não, obrigada". Aqui as coisas funcionam de maneira um pouco diferente. Como minha professora mesma relatou, em algumas confraternizações de trabalho por exemplo, se o chefe e os outros, na primeira rodada pedirem cerveja, e você, por algum motivo, pedir coca (ou qualquer coisa diferente de cerveja), você estará "estragando o ambiente". Para os japoneses é obrigação, principalmente para com todos os superiores, agradar, mesmo que isso passe por cima das suas próprias vontades ou gostos. Isso também reflete o que eles chamam de "pensar coletivamente", eu acho. Eu, por exemplo, já estraguei diversos ambientes, com certeza. Eu odeio chá. Odeio! Mas em qualquer lugar que você vai, a primeira coisa que eles servem é chá. Não te perguntam se você quer ou se você gosta, mas te servem chá (e até aí tudo bem, é bastante gentil da parte deles). Mas o fato de você não beber comprometer a sua aceitação pelos japoneses é muito estranho pra mim. Ou eu não bebo e sou rude, ou bebo, faço careta correndo o risco de vomitar e sou mais rude ainda :D

Também me tomou um bom tempo pra entender os relacionamentos aqui no Japão. É muito raro ver casais de mãos dadas e demonstrações públicas de afeto, por mais singelas que sejam. Não vemos ninguém se beijando na rua, nunca, nem selinho. É extremamente desagradável e mal educado da parte do casal fazer isso em púbico. Hoje entendi por que. Muitos japoneses não entendem por que nós, brasileiros, beijamos beijamos beijamos, mas não transamos. Para eles beijo de lingua precede o sexo naturalmente e por isso, se você beijar alguem em público estará praticamente anunciando para todos que quer e/ou vai transar com essa pessoa. Pra nós, uma coisa não significa necessariamente a outra. Se beijamos alguém, podemos ou não querer transar com ela. Bem diferente né?

Ouvi muito de várias pessoas que o Japão é um país muito fechado e xenófobo e não acreditei totalmente nisso. Mas como já era esperado eu e minha amiga (outra intercambista de Juiz de Fora) já tivemos experiências chatas na rua e até mesmo no dormitório. Como já devo ter dito aqui, no lugar onde moro também vivem japonesas. Muitas vezes dei bom dia ou boa tarde para algumas delas e elas simplesmente viraram a cara (literalmente). Outro dia, enquanto me preparava pra entrar em uma das cabines para tomar banho (aqui os banheiros são comunitários), a japonesa que estava na cabine ao lado, só saiu quando viu que eu já estava dentro da minha. Elas evitam contato com intercambistas. Em filas de supermercado, até na cantina da universidade, muitas vezes enquanto estava pagando pelas minhas compras, a pessoa atras de mim simplesmente me empurrava; Uma delas esticou a mão para pagar na minha frente e acabou deixando o dinheiro cair dentro do meu prato de arroz e nem ao menos pediu desculpa. Com minha amiga, o sujeito simplesmente a xingou e foi muito rude com ela. Talvez ele achasse que ela não podia entender o que ele estava dizendo, mas ela entendeu.


Quando essas coisas aconteceram comigo eu fiquei realmente triste. Além de estar longe da minha família e dos meus amigos, ainda tenho que aguentar esse tipo de tratamento? Mas felizmente a maioria das pessoas com quem tenho convivido não são assim. Conheci japonesas muito simpáticas no meu dormitório e pra elas dou bom dia. Em um dos meus passeios pela cidade, fui abordada por duas senhoras muito simpáticas, me perguntando de onde eu vinha, elogiando meu japonês e querendo saber mais sobre como é estudar tão longe de casa. Os meus amigos japoneses me dão muita força e apoio e me divirto muito com eles também. Sem falar em todos os outros intercambistas com quem tenho estudado. Tudo isso faz meu intercambio ser mais agradável, mesmo com toda a diferença de cultura!

Esse foi só o primeiro post com algumas das minhas impressões sobre o Japão e os japoneses. E antes que todos me xinguem ou me julguem, não, eu não tenho só críticas negativas a fazer. Gostaria de colocar tudo de positivo que tenho visto por aqui, e tudo de bom que todos tem feito por mim, mas num post só não vai caber, então vai ficar pro próximo ok? Aguardem XD

Enfim, é isso, espero que tenham gostado do post. Aguardo vocês no próximo! Ja ne o/.


You Might Also Like

5 comments

  1. Só depois de mais de 3 anos convivendo com japoneses e me relacionando com um é que estou aprendendo a entender algumas sutileza deles... tipo, se meu namorado me avisa que no dia tal é yasumi dele eu tenho que entender que ele está me convidando para sair... sem ele nem tocar no assunto de querer me ver... pode isso? agora eu sei que é assim, mas no início não entendia o que ele queria me dizer assim tão superficialmente...

    Bom, o importante é respeitar... e esperar respeito em meio a tantas diferenças, né?

    beijo e ganbatte!

    ResponderExcluir
  2. Poxa Paula...lendo isso eu fico realmente triste.
    Eu já esperava o xenofobismo deles, mas não pensava que alguns pudessem ser tão rudes.
    Pra mim japonês era aquela coisa meio Yuna, sempre gentil e pedindo desculpas, mesmo que estivessem sendo falsos.

    Espero que tenha muita força e apoio pra continuar indo tudo bem aí!
    E ignore os imbecis!Eles estão em toda parte.
    Igual alguns idiotas aqui eu tratam mal e enganam os turistas.

    ResponderExcluir
  3. Adorei o post, acho bem legal pra gente quebrar alguns pré-conceitos e entender um pouco mais o comportamento e a cultura aí. Sou descendente de japonês, mas pra ser bem sincera eu nem tenho muito contato com a cultura. Meus avós que vieram daí já faleceram e meu pai e minhas tias não são tão ligados também, mas ainda assim acho interessante.
    O que eu acho mais "engraçado" é que eles tem muitos e muitos rituais, né? E são meio metódicos também, como você mesma falou do chá. Mas tenho amiga que mora aí e ama o Japão, com certeza deve ser um lugar bem legal e diferente pra conhecer!

    http://officialgabi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito do Japão mesmo, mas sei que nem tudo são flores mesmo nunca pisando aí. Realmente a parte da xenofobia é verdade e já li alguns artigos em revistas, é uma pena que tenha gente tão rude ): mas acho que existe em todo lugar, não é mesmo? Recentemente aqui no Brasil um gay foi espancado (mas ele está vivo) e virou o maior bafafá. Não sei nem porque eles te tratam tão mal, eu acho que você parece ter traços japoneses haha
    Quanto ao não beijar em público, eu prefiro o modo japonês. Ninguém merece ver casal se engolindo no meio do metrô lotado, acho uma falta de educação sem tamanho. Um beijinho ali e aqui tudo bem, mas para que desentupir a boca do outro em lugares públicos? -_- Porém, quanto ao beijo ter a ver com sexo, realmente não condiz com o modo brasileiro.
    Ah, te enviei um e-mail do amigo secreto para você se inscrever no site. Se inscreva até dia 12 para nós fazermos os sorteios!

    ResponderExcluir
  5. Eu comecei a me interessar pelo Japão através dos mangás e animes, depois de um tempo pesquisando mais sobre a cultura japonesa, fiquei um tanto decepcionada com alguns costumes, principalmente esta discriminação com estrangeiros que você relatou, eu acompanho um vlog, de uma garota brasileira que mora no Japão há algum tempo ela contou também algumas experiências desagradáveis que ela passou. Depois de conhecer mais um pouco do Japão me sinto feliz em morar no Brasil.
    Bj

    ResponderExcluir

Subscribe